Cover of A Fundao Da Monarchia Portugueza

A Fundao Da Monarchia Portugueza

Auhtor: Antonio Augusto Teixeira De Vasconcellos

Language: english
Published: 1860

Genres:

essays
Downloads: 157
eBook size: 250Kb

Review by Timothy B. Riley, December 2010


Rating: (*****)
Copyright: Public Domain in the U.S.
Please check the copyright status in your country.

Summary of the Book 'A Fundao Da Monarchia Portugueza':

A Fundao Da Monarchia Portugueza by Antonio Augusto Teixeira De Vasconcellos. A fundao da monarchia portugueza A fundao da monarchia portugueza by A. A. Teixeira de Vasconcellos This eBook is for the use of anyone anywhere at no cost and with almost no restrictions whatsoever. You may copy it give it away or re-use it under the terms of the Project Gutenberg License included with this eBook or online at www.gutenberg.org Title A fundao da monarchia portugueza narrao anti-iberica Author A. A. Teixeira de Vasconcellos Release Date April 6 2007 EBook 20998 Language Portuguese Character set encoding ISO-8859-1 START OF THIS PROJECT GUTENBERG EBOOK A FUNDAO DA MONARCHIA PORTUGUEZA Produced by Pedro Saborano. Para comentrios transcrio visite http pt-scriba.blogspot.com This book was produced from scanned images of public domain material from the Google Print project. LIVROS PARA O POVO II A FUNDAO DA MONARCHIA PORTUGUEZA NARRAO ANTI-IBERICA POR A. A. TEIXEIRA DE VASCONCELLOS NATURAL DO PORTO LISBOA IMPRENSA NACIONAL 1860 AOS DIGNOS PROPRIETARIOS DO COMMERCIO DO PORTO Meus caros senhores A bondade com que v. s.^as me offereceram no seu periodico uma tarefa effectiva e bem remunerada deu-me o descanso necessario para continuar os trabalhos litterarios que eu comeara mais rico de intenes patrioticas que de cabedaes para os levar a cabo. imprensa de toda a Europa e de uma parte da America devo as maiores finezas e quanta proteco e auxilio ella pde dar. imprensa portugueza tambem estou em grandes obrigaes mas entre os que militam n ella so v. s.^as dos que mais efficazmente se esmeraram em me ajudar e favorecer. Ao amor de me com que toda a imprensa me tratou correspondo eu com o affecto filial que sempre lhe tive e a v. s.^as offereo o primeiro livro que publico n este anno. Aceitem-o como testemunho da minha estima e agradecimento. a primeira dedicatoria que fao. Sou com a maior considerao De v. s.^as Amigo e venerador obrigado A. A. Teixeira de Vasconcellos. Lisboa rua du Santo Antonio Estrella n.^o 66 21 de julho de 1860. PALAVRAS NECESSARIAS O livrinho que hoje se luz devia ter sido escripto e publicado ha um anno e aps elle muitos outros do mesmo genero. No aconteceu porm assim porque no era negocio dependente s da minha vontade. Desde que o foi peguei na penna e no a tornei a pr no tinteiro sem ter acabado o livro. Tenho para mim que as classes populares carecem de uma bibliotheca composta de livros uteis de doutrina s de lio curiosa e baratos e ando a ver se cabe nas minhas foras r-lh a preparando com estes volumes. A tal empenho assim como ao de revelar Europa na lingua franceza o que ainda valemos como nao independente espero poder consagrar o resto dos meus dias apesar dos obstaculos que j me tem apparecido e s vezes da parte d aquelles a quem incumbia afasta-los sem embargo das difficuldades inseparaveis d estas duas emprezas e sem me affligir com as miserias--muito miseraveis--que tenho encontrado no meu caminho. Tudo isso vou arredando e vencendo alegremente. Alegremente digo eu e digo bem. Quem combate pela verdade contra o erro pela energia contra a preguia pelo bom senso contra a toleima e pela patria contra os que a calumniam tem occasies de grande contentamento. Com isso me animo e conforto para continuar. Este pois o segundo volume dos Livros para o povo. Trata da fundao da monarchia portugueza como estava indicado no programma d esta publicao e pelo que pertence aos factos um resumo do que a tal respeito escreveu o nosso illustre historiador o sr. Alexandre Herculano no tom. I da sua Historia geral de Portugal. Parece-nos que se luz em occasio opportuna. Agora que nos andam a dizer que a nossa nacionalidade e independencia no podem durar muito justo que o povo saiba ou se recorde como ambas principiaram e nasceram de elementos de certo bem inferiores aos que temos hoje para as defender e sustentar.

Excerpts from the Book 'A Fundao Da Monarchia Portugueza':


... pela verdade contra o erro, pela energia contra a preguia, pelo bom senso contra a toleima, e pela patria contra os que a calumniam, tem occasies ...
... deixemos arreigar a ida de que a fuso inevitavel. No fim de tudo, dos portuguezes a quem a ida da unio iberica agradou pela grandeza das consequencias ...
... os tibios, e as almas generosas exaltam-se, extasiam-se e fortalecem-se mais ainda. Junto d'aquelles marmores mudamente eloquentes, vi eu um dos ...
... ergueu-se de mau humor, e mandou os inglezes para Inglaterra. Fez bem. L o logar d'elles. Pois ainda c voltaram em 1826, mas foram-se embora sem ...
... Urraca governou Samora e Elvira foi soberana de Toro ambas com o titulo de rainhas, como era de uso ento. A paz entre Castella e Leo no foi duradoura. ...
... e inspiraram-lhe a ida de chamar de Africa os almoravides commandados por Abu-Yacub. Foram elles que no dia 23 de outubro de 1086 destroaram na ...
... A misso de Affonso VI era pois a guerra incessante contra os arabes. Estas circumstancias attrahiam crte castelhana um grande numero de fidalgos ...
... de Portucale. De nome de cidadella passou a designao de districto, d'ahi a condado, e mais tarde a reino, segundo a conquista christ se alargou mais, ...
... tempo. O convenio entre os dois condes tinha por fim evitar que a coroa de Affonso VI passasse para o infante D. Sancho filho de Zaida Ibn-Abed, ...
... Galliza. Desinteressado dessas questes, o seu principal fim era prolonga-las, collocando-se do lado de quem menos probabilidades tinha de resistir ao ...
... em vista crear, por meio de multiplicados combates, sentimentos de invencivel hostilidade contra os leonezes no animo dos seus vassallos. Preparava-os ...
... antigo official do prelado de Compostella, parente e amigo dos primeiros fidalgos de Galliza, era amante de D. Tareja, e governava por merc sua o Porto ...
... na reputao de um cavalleiro. To primorosa lealdade maravilhou a crte, e captivou o animo de Affonso VII. O fidalgo portuguez voltou em liberdade para ...
... vigorosamente para facilitar a independencia de Portugal. Teve qualidades politicas de grande quilate, e os effeitos d'essas virtudes chegaram at ...
... no esperou que o atacassem. Impetuoso, como o pedia a sua idade, e a indole de uma nao to moa como elle, entrou por Galliza em 1130, e comeou a guerra ...
... seguiam, cau prisioneiro dos portuguezes, e a final o grosso dos dois exercitos avistou-se perto de Val de Vez. Ali na planicie que separava os portuguezes ...
... as gloriosas ambies dos portuguezes. Seis annos depois falleceu em Coimbra, aos 6 de dezembro de 1185, tendo governado quarenta e cinco annos como ...
... a que temos affeio. Mas n'este caso fra injustia negar que, sem a constancia e lealdade dos portuguezes, a causa da nossa liberdade no chegaria ...
... grandes males, e fez ao novo reino assignalados servios. O povo esse deu vida e fazenda, como d sempre generosamente para sustentar as causas que ...
... characters or a lack of pictures in illustrated books Well we know how you feel. We always have the highest quality books. All of our books are formatted ...