Cover of A Alma Nova

A Alma Nova

Auhtor: Guilherme Dazevedo

Language: english
Published: 1874

Genres:

poetry
Downloads: 308
eBook size: 332Kb

Review by A. Dent, March 2007


Rating: (*****)
Copyright: Public Domain in the U.S.
Please check the copyright status in your country.

Excerpts from the Book 'A Alma Nova':

... j tocar-te as roagantes vestes. deusa virginal das coleras celestes,. Das graas juvenis. Retine a canoa alegre das bachantes,. Saudadas ...
... leve e onde os meus labios puz,. -Saudando a boa me que faz com que eu te gose. Depois do verme vil teu seio polluir,. Mais pura no frescor ...
... das vizes que amaste com fervor. Ahi as tens agora alimentando as ervas. De novo dando terra o que ella deu flr. So ellas. as vizes dos meus ...
... sei que vs morreis aos sons agonisantes. Das orchestras febris,-nos sonhos dissolventes. Sois os fructos gentis que balanaes pendentes. Nas ...
... ser apparies divinas,. Erguendo um pouco a saia, a fimbria sensual,. Abrindo um vil leilo de beijos, nas esquinas,. Aos apetites vs da multido brutal. So ...
... doente amava muito d'antes. As festas, o ruido, as cousas deslumbrantes,. Agora desolada e penso que descr. Que tedio se abrigou na vaga transparencia. D'um ...
... entanto eu sei que s boa: apenas das insomnias. A febre, me cruel d'estranhas sensaes,. Na fria placidez do gaz e das bigonias. Construe na tua ...
... mar onde fluctua o espirito de Deus. Mais tarde beira-mar chegava a pura imagem. Da mais casta mulher que em vida pude ver. Detinha-se distante:-a ...
... diaphana e sem vo,. Uma triste mulher passava, ento, na rua. Cuspindo uma poro d'infamias para o co. XXIII. Eu quizera depois das lutas acabadas,. Na ...
... sorrido: a Christo no martyrio,. Na dr, ao rei de Thule. E quando vos apraz, nas azas transparentes,. Mais alto ides por certo,. Do que as ...
... seio vil dos rotos,. Sem ter pena, sequer, da pobre me que passa. Um dia sem ter po,. Nem d'essa esfarrapada e velha populaa. Que rosna como ...
... as ptalas vermelhas. D'uma rosa de fogo aonde vo libar,. O mel das illuses, quaes timidas abelhas,. Uns velhos ideaes que em vo tento expulsar. Dizer-me ...
... dois rivaes antigos,. Na batalha cruel que em ns se reproduz. Sorria o que da terra aos vegetaes amigos. Rebrilhe o que do co nas refraces da ...
... seductoras. No arfar da cazimira ha frases tentadoras. E maciezas taes nas languidas pellias,. Que as tristes commoes, decrepitas, mortias,. Resurgem ...
... recentes ancias,. Se aquella santa flr das grandes commoes,. Apenas tem logar nas vossas elegancias. Como um enfeite de mimo amado nos sales. Na ...
... ideaes, grandes espaduas bellas,. Lampejos de cristaes, insidias de setins. Oh. temo bem Jesus que tantas pedrarias. Faam peso ...
... a garra adunca afia contra alguem. XLIV. OS NOVOS LEVIATHS. Dos antigos Tites, o mar,-fera indomavel,. Agora verga o dorso ao peso ...
... no deixaram descendencia digna d'aquella poderosa gerao. O romantismo foi um meteoro. O grande canto do seculo esvaeceu-se gradualmente n'um murmurio. ...
... rumorosas e confusas, que se conteem os elementos da inspirao real, os principios vitaes de que se nutre a sociedade, e de que tem por conseguinte ...
... Lamb.-Sir Thomas Browne.-Love's labours lost.-Measure for measure.-Shakespeare's English kings.-Dante ...